sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Ai se fosse em Portugal... laBuceta


Antes de tudo, queria alertar os caros leitores brasileiros que o título desta crónica, não tem nada a ver com ordinarices, palavrões ou menção a qualquer parte do corpo humano...
Este é um dos transportes mais utilizado em toda a Colômbia.Foi uma das coisas que me chamou mais à atenção quando cheguei aqui à Colômbia: a quantidade de pessoas que utilizam este meio de transporte! Também se vêem muitos táxis amarelos mas o táxi é um luxo.
Como dá para perceber pela foto, laBuceta é um mini-autocarro muito colorido e varia muito em tamanho e tecnologia... Existem aqueles que são novos, têm Tvs suspensas, outros com brutas colunas e bancos confortáveis e outras ainda (a maior parte) a cair de velhas e autênticas máquinas de fazer fumo!
Uma das vantagens deste transporte é o facto de ela não parar nas paragens: pára onde o mais comum cidadão deseja, quer seja para entrar quer seja para sair o que alarga os tempos de cada viagem. Às vezes não pára, é verdade, ou porque está a ultrapassar ou então por uma outra razão qualquer pois não dá para perceber, ou ainda , porque vai cheia de passageiros. Às vezes é angustiante levantar a mão e nada... passa a seguinte e nada! Mas quando pára então começa a verdadeira aventura!!!!

O trânsito em Bogotá pode-se traduzir num só adjectivo: Caótico! O estilo de condução colombiano é o de sem regras de trânsito e graças a Deus que cumprem algumas com distinção como são os casos dos semáforos e dos stops. De resto, é uma autêntica lei da selva: acelar e travar em cima dos outros carros, atravessar-se na estrada, apitar muito e muito, mudanças de faixa repentinas sem dar pisca, travagens bruscas... Agora que já temos a panorâmica exterior do transito, vamos à interior na perspectiva de quem viaja nelas.
Eu chamo-lhes os "Helth Clubs" de Bogotá, especializados em trabalhar os músculos de forma localizada: biceps e triceps trabalham-se pois temos que estar muito bem agarrados e os gémeos para que não escorreguemos e assim cairmos por cima de outros "utentes do ginásio". Em suma, uma verdadeira montanha russa, que neste tipo de condução nos obriga a estar muito bem seguros e segurados por outros passageiros que quase sempre vêm colados a nós. isto tudo para quem viaja de pé mas os que estão sentados também não se safam de uns encontrões e pisadelas. As palavras que mais se ouvem são:
Que pena! - quer dizer desculpe.
Outra aventura é entrar e conseguir chegar à porta traseira (quando têm) para sair, pois às vezes desde que entramos, temos logo que tentar furar para chegar a tempo à porta para poder sair. E como nestas_bucetas vale tudo, também se pode entrar pela porta traseira e aqui sucede outro fenómeno interessante. Como não conseguimos chegar à frente para pagar a viagem ao motorista (1300 pesos = 0,52€ para o percurso todo), pedimos para que passem
la plata até à frente -muito interessante! - e quando tem que se receber troco, lá vem ele ter ás nossas mãos!
Bem, depois desta descrição minuciosa de um estilo de transporte e sobretudo de condução, digo-vos que a polícia coloca anúncios no jornal a dizer que aos bons condutores não se tiram fotos e para alertar os maus condutores que podem ser multados...
Se eu vos disser que quase todas elas têm escrito a trás : Como conduzo? Ligue para.....
Não dá para acreditar que a forma de protesto que os condutores utilizam é a buzina, que os passageiros nunca reclamam com o motorista reclamam depois de andarem aos trambolhões e que no fim quase não se vêem acidentes nas estradas.
Pode-se dizer muita coisa da Colômbia, mas no que toca a lasBucetas e ao trânsito:

Ai se fosse em Portugal!!!!!

NOTA: os que colocarem o tradutor em língua espanhola podem ter surpresas mas paciência....

2 comentários:

Sandrio cândido. disse...

Que legal, se o pai do ceu permitir eu ainda vou na colombia.
abraços missionários

johana rs disse...

Caríssimo o copi e a vivi....
A bogotá é muito caotica!!!...com certeza!.

os autocarros são mesmo feio. Em outras cidades não é igual.

Um abraço

desejo ver-lhes em breve